sábado, 28 de março de 2009


FRASES DOS DIAS

 

O menino se despede da infância experimentando as primeiras insônias e mais algumas curiosidades.

O menino mais novo gosta de andar em volta das coisas para imaginar. Depois diz frases surpreendentes e desenha histórias.

A mulher amadurece com menos insônias.

O homem faz que não e melhora com o tempo.

A cidade, de tão judiada, ganha uns pequenos remédios - tentativa de alguns para atenuar o erro absoluto de muitos. Só que os erros continuam numa multiplicação detestável e acaba que a gente participa deles. Sair da cidade com freqüência nos faz bem mais felizes.

Minha freqüência continua a ter trema.

Descobri que no limite do cansaço mora uma tristeza profunda e pura, apartada de motivos (que a exaustão abre arquivos adormecidos).

Do pequeno pro grande, tudo muito parecido.

A cachorra nos observa e vice-versa ao integrar nosso grupo onde o amor dita as regras 

e a falta delas.

 

7 comentários:

Pricila Maria disse...

Ei Lelena!
É realmente admirável o olhar poético que você carrega na sua função materna; o quanto você permite que essa função desperte poesia em você!
Grande beijo,
Pricila.

Helena disse...

Maravilhoso Lelena! li e reli varias vezes...

Cláudia Paulino disse...

Lindo como sempre !!! Ah, já não estou mais anônima. Beijos com carinho na mulher, no menino, no menino mais novo e no homem... e um prá cachorra também !!! Rsrsrs...

Lenilde Freitas disse...

Olá, Maria Helena!

Grata pelo envio da mais recente página do seu "diário". Gosto da naturalidade com que você escreve. Como se fosse, realmente, um diário. Agradável surpresa e originalidade na frase: "Minha frequência continua com trema". Frase que se abre a inúmeras possibilidades: cada um cria ou recupera as suas, de acordo com o objeto ou objetos de seus "recuerdos". Pois, como dizia Sto. Agostinho: "Nem tudo o que inventamos é mentira". Um abraço.

PS - Como você pode ver, o meu computador já cortou o meu trema.

Lelena Lucas disse...

Obrigada,Pricila.Grande beijo pra você também, amiga querida!

Helena, que bom que você gostou. Quero ler os seus escritos! Beijo.

Cau,
Todos os beijos recebidos com alegria e retribuidos.

Lenilde,
Bom que a gente pode inventar muitas verdades. O meu pequenino inventa umas muito interessantes.
Obrigada pelo carinho.

grandibarrros disse...

A escriba transpõe as serras ferriferas , em sua bicicleta seguindo o seu mestre/ Quebra o tédio da urbe ( se bem que não há tempo dela sentir tédio ou monotonia) descendo os vales, fotografando as encostas, as beiras da serra e oferecendo nos Cris Botti tocando My Funny valetine
Bijim Mineirim

Lelena Lucas disse...

Eduardo,
Bicicleta, vales, serras e música boa. Isso tudo e mais ainda que a vida não dá mesmo trégua. A salada acaba sendo bem boa.
Obrigada pelo carinho.